3×4

Meu coração bate aceleradanente, enquanto persegue algo tão distante. O mundo gira como um caleidoscópio e nem mesmo me dá a chance de se sentar.

São tantas tensões e angústias; pequenas como uma foto 3×4, catalogadas num álbum sem fim. E ninguém teva paciência de olhar o álbum todo.

O casulo se fecha. Nada sairá de lá. O álbum vira cinzas.

Anúncios

Segunda-feira

“Eu bebi saudade a semana inteira, pra domingo você me dizer que não sabe o que quer
e não quer mais saber (…)”

Esteban – Segunda-feira

Lembro quando você me disse Charlie: “Eu não troco isso, nós dois, por nada; vou ficar ao seu lado para sempre, Emma”. Também me recordo daquela manhã de segunda-feira, na qual senti falta de mim, quando me lembrei de você.

Olho nossos retratos na parede, onde estampamos nossos sorrisos orgulhosos, e não consigo deixar de ficar triste, infelizmente. Recordo de nossos planos e juras, que projetavam-se para o sempre. Charlie, você está certo quando diz “nossos planos não eram tudo”, afinal, não eram. Havia um doce amor em nossos abraços, beijos e sorrisos. Isso tudo, de tão real e desejado, por nós dois, era quase palpável.

Não tenho dormido nos últimos dias. Minhas dores de cabeça voltaram. Estou confusa.

– “Emma, por favor, entenda. Você acabou com tudo”.

Charlie me responda: se o “nós” era o que havia de mais importante, como pode apagá-lo tão facilmente dos seus dias? Foi tudo tão repentino e agora você me trata como um estranho; nega tudo o que vivemos e o que sentimentos. Aqui, do alto do sétimo andar, longe eu vejo você.

Todos esses amigos, drogas e mulheres que irá conhecer vão lhe trazer uma felicidade momentânea; estarão ao seu lado somente até a página dois. Entretanto, quando envelhecer e perder a sua beleza digna de Ipanema, todos vão te abandonar. Além do mais, jamais saberão como fica bonito ao acordar com seu cabelo bagunçado e amaçado; o quanto é engraçado ao dormir; e até mesmo, como te consolar, quando, suas poucas lágrimas, brotarem e, a dor que carrega no peito, aflorar.

Já não me lembro da intenção da carta. Talvez não tenha intenção alguma, porque não tenho coragem de por seu nome no campo do destinatário.

Você sabe: sempre amei poesia. Sendo assim, acabei por usar palavras demais; perdi contato com o real. Muitas vezes, meus atos, simplesmente, não existiram. E isto foi minando sua paciência. Mas você sabe: não foi intencional. Eu sempre faço tudo errado, quando meu único objetivo, é te fazer sorrir.

Charlie me perdoe por não ter dito, suficientemente, o quanto eu sempre vou te amar.

Adeus. Seja feliz. E lembre-se: vou sempre estar aqui.